Flores, de Mario Bellatin « COSACNAIFY NA FLIP 2009

Busca
Fale Conosco


Homenagem à Manoel Bandeira

Crônicas Inéditas 2
Crônicas Inéditas 2
Apresentação da Poesia Brasileira
Apresentação da Poesia Brasileira
Macbeth, de Sheakspeare
Macbeth, de Sheakspeare

Mario Bellatin

Flores
Flores
Entrevista

Grégoire Bouillier

O Convidado Supresa
O Convidado Supresa

Angélica Freitas

Rilke Shake
Rilke Shake
Poema inédito

Flip Zona

  1. Flores, de Mario Bellatin

    Sexta-feira, 26 junho, 2009, às 16:57
    Mario Bellatin. Foto: Gabriela León

    Mario Bellatin. Foto: Gabriela León

    Flores é a estreia de Mario Bellatin na Cosac Naify, com tradução de Josely Vianna Baptista. Muitos são os adjetivos usados por críticos, jornalistas e leitores para tentar dar conta do que, afinal, é o livro: originalíssimo, impactante, conceitual. O próprio escritor, dono de uma personalidade arredia quando se vê diante das tentativas de enquadrar sua escrita, é alvo de comparações que, se reunidas, parecem formar algo quase incompreensível. Imaginem: um personagem de David Lynch, ou um falso documentário, como Verdades e mentiras, de Orson Welles; um mutante criador de universos particulares; um militante da escrita, qualquer que seja sua forma; um “Edward Mãos-de-Tesoura tarado por elipses”, como disse Joca Reiners Terron no texto de orelha do livro.

    Por esse e por outros motivos  é que Flores figura na galeria de clássicos mexicanos listados pela Magazine Litteraire, ao lado de obras de Juan Rulfo e Carlos Fuentes, dois decanos da literatura daquele país.

    Tags:

  2. >> voltar comente
  3. Comente aqui (1)

    1. Marco Antonio Magno sexta-feira, 26 junho, 2009 às 19:04

      Li Flores no original e posso dizer: é imperdível. Não conheço nada parecido.


® COSAC NAIFY Todos os direitos reservados.