Itinerário Bandeira, por Murilo Marcondes de Moura « COSACNAIFY NA FLIP 2009

Busca
Fale Conosco


Homenagem à Manoel Bandeira

Crônicas Inéditas 2
Crônicas Inéditas 2
Apresentação da Poesia Brasileira
Apresentação da Poesia Brasileira
Macbeth, de Sheakspeare
Macbeth, de Sheakspeare

Mario Bellatin

Flores
Flores
Entrevista

Grégoire Bouillier

O Convidado Supresa
O Convidado Supresa

Angélica Freitas

Rilke Shake
Rilke Shake
Poema inédito

Flip Zona

  1. ITINERÁRIO DE BANDEIRA
    poeta, cronista, crítico e tradutor

    Quarta-feira, 1 julho, 2009, às 18:21

    Por Murilo Marcondes de Moura

    É fácil imaginar o valor de um acompanhamento crítico quase cotidiano do movimento literário e artístico das décadas de 1920 a 1940, provavelmente o período mais rico de toda a história da cultura brasileira. Para tentar uma fórmula sintética: esta riqueza consistiu na associação de uma enorme liberdade estética à visão crítica mais empenhada. Esse valor se multiplica quando tal acompanhamento provém de um dos maiores protagonistas do período Manuel Bandeira, que foi, de modo superlativo, criador e in-térprete, poeta e fino observador da poesia e das artes em geral.

    De alguma forma, essas duas instâncias, a da criação e a da crítica, nasceram juntas no jovem Manuel Bandeira, retirado da vida prática pela tuberculose e, por assim dizer, constrangido à vida contemplativa de poeta e de estudioso. Como ele próprio afirma no Itinerário de Pasárgada, isto é, entre o momento em que adoeceu, 1904 e o ano em que publicou seu primeiro livro, A cinza das horas (1917): “Foi nesses treze anos que tomei consciência de minhas limitações, nesses treze anos que formei a minha técnica”.

    Leia texto na íntegra aqui [arquivo PDF]

    Tags:

® COSAC NAIFY Todos os direitos reservados.