autores assuntos  
     
   

EXPOSIÇÕES

Acompanhe a agenda dos artistas
do catálogo da Cosac Naify


OUTRAS NOTÍCIAS

Colóquio homenageia o antropólogo Pierre Clastres em São Paulo


Outubro no Ceuma: Décio Pignatari fala sobre linguagem não-verbal; Vila-Matas é tema de R. Lísias


Cosac Naify conquista seis estatuetas do Prêmio Jabuti; confira os vencedores


Ricardo Mayer ministra workshop sobre tipografia e moda no Rio


Conexões entre o design francês e brasileiro em mostra no Sesc Pompeia


Obra do artista argentino León Ferrari volta às ruas de São Paulo


Uma intensa e completa entrevista da fotógrafa Claudia Andujar a Juan Esteves


Lina Bo Bardi na TV Cultura, em reportagem de Cunha Jr.


Fã de Sempé, Mario Sergio Conti comenta Marcelino Pedregulho


Daniel Bueno fala sobre a linguagem vanguardista de Sempé e Silverstein


Assista às entrevistas com os autores da coleção Ópera Urbana


Odilon Moraes revela seus dez títulos favoritos


 

Confira os mais vendidos de agosto

 
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

História do design gráfico
Philip B. Meggs
Livro dos homens
Ronaldo Correia de Brito
Novos fundamentos do design
Ellen Lupton e Jennifer Cole Phillips
Lina por escrito
Lina Bo Bardi
Grid: construção e desconstrução
Timothy Samara
Pensar com tipos
Ellen Lupton
O convidado surpresa
Grégoire Bouillier
Histórias da moda
Didier Grumbach
Fashion design - manual do estilista
Sue Jenkyn Jones
O mundo codificado
Vilém Flusser

 
 
NOTÍCIAS
Sem título, de 1992, época de "beleza contorcida", segundo Tassinari

RODRIGO ANDRADE: UMA OBRA EM ANDAMENTO
por José Bento Ferreira*


Leia este texto em arquivo PDF

Uma das razões pelas quais o grupo paulistano Casa 7 foi uma referência importante nos anos 1980 é a retomada da pintura. Havia uma silenciosa proibição de pintar que eles ajudaram a romper. Rodrigo Andrade foi um dos artistas desse grupo - a "Casa 7", onde trabalhavam, era a casa dele. Também participaram Paulo Monteiro, Fábio Miguez, Carlito Carvalhosa, Antonio Malta e Nuno Ramos. Todos tiveram trajetórias independentes e produzem trabalhos consistentes nos quais a origem comum nunca se apaga de todo.

Veja galeria de imagens


Rodrigo Andrade
R$ 80,00
Veja detalhes
do livro


Desconto especial em compra conjunta

Este livro apresenta a obra de Rodrigo Andrade, desde a pintura dos anos 1980, com características neo-expressionistas, ora figurativa ora abstrata, até as massas coloridas que ele passou a produzir a partir do final dos 1990. Estas marcaram uma transformação considerável em seu estilo. Certa vez, o artista declarou que era como se tivesse "encontrado a fórmula da felicidade", uma espécie de porto seguro na trajetória artística.

Dois esclarecedores textos críticos comentam a arte de Rodrigo Andrade. Alberto Tassinari, autor de O espaço moderno (Cosac Naify, 2001), e inúmeros outros textos importantes sobre arte contemporânea, afirma que as massas de cor se determinam reciprocamente. Nenhuma cor pode ser percebida isoladamente, mas "pelas diferenças em relação às outras", cada uma "torna-se um padrão" para as outras e assim as grossas massas se suavizam apesar da rudeza material. Produzem entre si um equilíbrio, uma harmonia.

Taísa Palhares, curadora da Pinacoteca do Estado, reflete sobre as intervenções que Rodrigo Andrade realizou a partir de sua nova pintura, no corredor do MAM de São Paulo ("Projeto parede"), no boteco "Lanches Alvorada", que fica no bairro de Santa Cecília e no Museu da Caixa Econômica Federal, onde Rodrigo Andrade filmou o pitoresco vídeo Uma noite no escritório.

Em Paredes da Caixa, Rodrigo Andrade ironicamente apresenta as massas coloridas moderníssimas ao lado de retratos em estilo acadêmico de antigos políticos e figuras históricas. A dissonância é reveladora, assim como no tradicional boteco de bairro, onde as grossas massas de tinta dificilmente são percebidas como obras de arte pelos freqüentadores, mas elas acolhem generosamente o espaço que não as reconhece. Elas o reconhecem, a pátina morosa do dia-a-dia relaciona-se esteticamente com as formas simples, "inexpressivas", que só se exprimem entre si.

Segundo Taísa Palhares, elas "contaminam" aquele espaço alheio a elas, apesar da sutileza de suas relações. A intervenção diz algo sobre a natureza da pintura, que sempre pretendeu instilar beleza e espiritualidade na matéria inerte e bruta.

Amplamente ilustrada, a edição tem contribuição no projeto gráfico do próprio Rodrigo Andrade e inclui cronologia relacionando seus trabalhos mais importantes e participações em exposições individuais e coletivas, além de bibliografia. Apresentando uma obra em andamento, o livro registra a trajetória de um artista em atividade, maduro e que conquistou seu espaço na arte contemporânea brasileira.

*José Bento Ferreira é professor de filosofia e crítico de arte.

Leia sobre Pinturas para peixes e outras pinturas, exposição individual de Rodrigo Andrade na Galeria Marilia Razuk

NA COSAC NAIFY
Manual da ciência popular, de Waltercio Caldas
Célia Euvaldo, de Alberto Tassinari e Marco Silveira Mello

VOLTAR A NOTÍCIAS